Siga-nos no Twitter

sexta-feira, 23 de maio de 2008

Cinema Review: Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal


A quarta aventura de Henry Jones Junior é um presente imenso aos fãs da série. Parece até que George Lucas e Steven Spielberg ficaram com tanto medo de errar a mão que seguiram a fórmula dos três outros filmes a risca.

Saem os nazistas e entram os comunistas! O filme se passa em 1957 e Hitler há muito tempo já estava no inferno. E o filme começa com uma "pseudo-micro-história", por isso entenda uma pequena aventura cheia de ação para situar e injetar adrenalina na veia do espectador.

Pois então, Indy está nas mãos de comunistas que o levam até a área 51 para que nosso herói "procure" alguma coisa para eles. É o começo de uma história que cada vez se apresenta mais complexa. Após completar a sua tarefa para a KGB, Jones consegue escapar e enfrenta uma pequena, mas hilariante, maré de má sorte que culmina com a sua demissão da universidade em que leciona.

Desolado, Indy embarca em um trem para uma vida nova e é aí que ele conhece Mutt Williams, um jovem rebelde que tem notícias sobre um antigo amigo de Jones. É quase como o chamado para a busca do cálice sagrado (no terceiro filme da série), logo embarca em um avião e podemos assistir novamente a deliciosa imagem do avião traçando o seu caminho sobre o mapa-mundi.

Jones e Mutt desembarcam na América do Sul e a partir daí o filme se torna uma busca constante pela Caveira de Cristal e por uma cidade perdida no coração da Amazônia. A aventura é embalada pela música tema de John Williams e tem de tudo, a consagrada "cena-nojo-de-bichos-repulsivos" está lá também, agora com formigas gigantes (cobras, insetos e ratos, foram os escolhidos nos primeiros filmes). Temos também uma sequência de luta em cima de veículos que se assemelha a briga em cima dos caminhões nazistas no primeiro filme, ou até mesmo a batalha contra os tanques de guerra na "Última Cruzada".

Tudo isso empurra Indiana Jones correnteza abaixo para o desfecho místico, surrealista e intergalático do filme, que vai um passo a frente dos outros episódios ao enfiar um tijolo de ficção goela abaixo do público.

Mas enfim, o que poderíamos esperar deste quarto episódio da série senão uma dose cavalar de aventura com aquele humor característico da série? É o fascínio que só um filme de Indiana Jones pode despertar, entretenimento de qualidade pela mão de grandes monstros do cinema.

Nenhum comentário:

Um blog com tudo que o superego julgou absurdo demais para entrar no Puro Pop

Quem faz o PuroPop ser Pop