Siga-nos no Twitter

quarta-feira, 30 de julho de 2008

Notícia Games: Vídeos no Xbox Live



Não é porque eu tenho, mas o Xbox ChutaBundas!
Tirando o famigerado problema das 3RLs, o xbox é insano e completamente perfeito.
Em mais uma jogada maluca dos produtores da caixa de ovos, nós usuários, seremos agraciados com trailers e mini-vídeos de filmes malucos por diretores foudas!
Vamos lá, a equipe do Xbox chegou em alguns renomados diretores de filmes de terror/horror de Hollywood e os pediu que, gentilmente, fizessem alguns pequenos curtas para serem disponibilizados na rede.
Agora pensa comigo:
Diretores de filmes de terror + produto para público xbox + filme sem pretenção financeira = PQP
Saíram os trailers de algumas brincadeiras e eu posso dizer, PUTAMERDA QUE DIVERTIDO!

Enjoy, suckers!



UPDATE:
Links dos outros trailers aqui, aqui também, mais um aqui, tadãã.

terça-feira, 29 de julho de 2008

Notícia: Música: São Paulo Moto Festival


Entre os dias 5, 6 e 7 de setembro no autódromo de interlagos será promovido um evento com nomes nacionais e internacionais em celebração ao melhor das motos e da música.

São atrações internacionais Paul Sênior, Paul Jr. e Mikey da OCC (Orange County Choppers), mais conhecidos pelo programa American Choppers, exibido no Brasil pelo canal People & Arts. Na parte musical Roger Hodgson(Supertramp), Titãs e Paralamas do Sucesso, além da OCC Band que é formada por quantro funcionários da Orange County Choppers.

O Festival terá ainda ampla área de estandes com peças, acessórios, equipamentos para pilotos e passageiros e espaço de montadoras, o que inclui um destaque: diversas linhas de produtos voltados para o público feminino, que a cada festival aumenta sua participação. E mais ações especiais dos expositores e promoções extras para motoclubes e outras atividades previstas, sempre com uma megaestrutura de alimentação e segurança.

São Paulo Moto Festival:
5 e 6 de setembro das 11h às 2h
7 de setembro das 10h às 20h
Autódromo de Interlagos, São Paulo
http://www.spmf.com.br/ - Site oficial do evento

Duas rodas e muitos decíbeis!

Notícia Games Wii: Novos jogos "clássicos" em produção

Após a broxada geral pela falta de anúncios de jogos novos na E3. Shigeru Miyamoto, a cabeça criativa da Nintendo deu uma boa animada nos fãs das grandes franquias. Ele afirmou que está supervisionando a produção das novas versões de "Super Mario Bros", "The Legend of Zelda" e "Pikmin".


"Fazer estes jogos tradicionais é no que sou melhor. Jogos desta natureza levam de dois a três anos em produção, sempre temos que manter equipes trabalhando nestes projetos", diz Miyamoto. "Eles todos estão trabalhando em mais projetos das franquias 'Mario', 'Zelda' e 'Pikmin'. Todos trabalham bem próximos a mim, então eu posso ficar de olho neles".

Na minha opinião essa notícia é fantástica já que desde o Nintendinho não temos uma continuação "Super Mario Bros" em vídeo games de mesa.

No Super Nintendo tivémos o maravilhoso Super Mario World e depois de muito tempo foi lançado o o 'pseudo' Super Mario World, com o Baby Mario a bordo do Yoshi em um jogo meia boca.

Já na geração seguinte, no Nintendo 64, tivémos o Mario 64 - o melhor jogo que já foi lançado junto com um console. E apesar do sucesso estrondoso o bigodudo só foi aparecer em um jogo solo no vídeo-game seguinte, com o 'sem sal' "Super Mario Sunshine" para Game Cube.

Agora no Wii, a notícia de que teremos um novo "Mario" eleva as espectativas as alturas já que Super Mario Galaxy foi incrível. É bom que a equipe de Miyamoto capriche, para que a supremacia da Nintendo dure ainda mais alguns anos.

Via UOL .

segunda-feira, 28 de julho de 2008

Notícias: Música: Turnê mais lucrativa dos ultimos tempos



De acordo com a Billboard a turnê Lost Highway foi encerrada com um lucro bruto de US$ 112,4 milhões. Esse “pequeno trocado” leva o Bon Jovi ao primeiro posto das turnês mais lucrativas dos últimos anos.

Os pegadores de New Jersey deixaram pra trás nomes como Spice Girls (que lucraram US$ 70 milhões na tour de reunião), Miley Cyrus (US$ 45,4 milhões), Van Halen (US$ 40,2) e Jay-Z e Mary J. Blige (US$ 30,3 milhões).

Em uma entrevista a Billboard Jon Bon Jovi disse que ainda não tem planos para o futuro e não sabe realmente o que fazer agora que a Lost Highway está acabada:

"Eu não tenho certeza para onde ir, ou é um Greatest Hits Vol. 2, ou é a hora para um disco solo, ou é hora de abandonar tudo?"

Com mais de US$ 110 milhões no bolso não seria muito díficil achar o que fazer. Seria melhor que o fim da banda não fosse uma opção válida.

sexta-feira, 25 de julho de 2008

Notícias: Games: Animação de Dead Space



Não sei quantos de vocês sabem, mas o jogo Dead Space vai ser FOUDA!
Será um dos primeiros (se não o primeiro) jogo a ser pensado, desde sua criação, em uma expansão midiátia. O bichinho vai sair dos Games e virar um filmão!

Maaaas, antes disso acontecer, o Dead Space vai receber uma prequel (isso anda muito na moda) em alguns episódios de animação que vai contar toda a história do jogo.
Vai ser louco!

Confira ai o teaser/trailer

Notícia Cinema: Novo trailer de The Punisher War Zone



P.U.T.A.M.E.R.D.A!!!
Direto da Comic Con. (que você pode conferir aqui no especial do nosso parceiro Judão)

Liberaram o trailer novo do Punisher War Zone. E quer saber?!
TA FOUDA!

Eu, que gosto dos quadrinhos do Mr. Frank Castle, devo assumir e dizer que gostei do primeiro filme. Tá, não tem nada a ver com a história - e o Frank é loiro uadafãqui - mas é um filme divertidão com umas mortes mega-legais e tal.
Mas vamos ao que interessa...
deleitem-se

quinta-feira, 24 de julho de 2008

Notícias: Games: Mirror's Edge



Semana de Comic CON é foUda!
Um bando de Nerd unido fazendo besteira e comendo doce de leite gringo, enquanto uma cambada de empresas legais notícia coisas divertidas e novidades interessantes.

Algum tempo atrás tivemos a E3 e foi duca. As palestras das produtoras apresentam não muitas novidades, mas as que apareceram foram bem legais. Uma delas, das que mais me chamou a atenção, foi a nova franquina da EA Mirror's Edge.
A história consiste numa sociedade totalmente controlada pela censura e pela polícia em que uma RUNNER (praticante de parkou) precisa levar informações do Ponto X ao Ponto Y sem ser apanhada pelos policias. O jogo, em primeira pessoa, promete revolucionar o gênero de ação com movimentos animais e sem dar ao menos um tiro!

Mas calmalá. Qual a novidade que o gordo aqui vai falar.
Mirror's Edge vai sair com uma HQ na gringa para contar direito a história e posicionar o personagem no universo de Faith (a runner).
Enfim, o negócio promete...
Será que sai no br?! I hope so!

Especial The Dark Knight - Batman de Tim Burton

Resolvi fazer um texto especial para os dois filmes do Tim Burton, não para resenhar e destrinchar cada uma de suas películas, mas situar o leitor e evidenciar as melhores características de suas obras.

Vamos lá! O que são os filmes de Tim Burton? O que faz com que eles sejam tão diferentes de tudo o que já havia sido feito?

Tim Burton dirigiu e deu a cara dos dois primeiro filmes “sérios” da franquia, Batman (1989) e Batman – O Retorno (1992). Burton que tem um background incrível de filmes nonsense, que bebem direto da rica fonte do expressionismo alemão, deu uma injeção de loucura na franquia.

O design dos filmes é incrível! Edifícios enormes com uma arquitetura fantástica, única. Gotham era fantástica! Já o Batmóvel é uma das minhas melhores memórias de infância. Aquele look meio jato, com traços dos anos 50 era demais! Metralhadoras, acessórios and etecetera.

Os detalhes me enlouqueciam ainda novo, e hoje assistindo com olhos mais críticos, posso saborear ainda mais. Aquele guarda chuva “hipnótico” do Pingüim parece o piso do manicômio de “O Gabinete do Dr. Caligari”. O enorme pato de borracha, usado como veículo pelo Pingüim e seus comparsas também é um show a parte, é uma viagem surreal que toma forma na tela em nossa frente.

O figurino dos criminosos da cidade, uma mistura de mímicos from hell e uma dose cavalar de LSD, mostra o quão louca é Gotham City, uma cidade dominada pelo crime, um hospício a céu aberto.

E os “big bosses”, ou seja os inimigos principais: Coringa, Pingüim e Mulher Gato, também não ficam atrás.

Jack Nicholson já era doido de pedra em “Um Estranho no Ninho”, quando eu o vi de Coringa eu pensei “Caceta!!! Não tem ninguém melhor que esse cara para fazer o papel, olha esse sorriso!”. O vencedor de 3 Oscar, teve um atuação impecável, um misto de loucura e sadismo, mas em uma versão bem mais light do que o Coringa de Dark Knight.

Danny DeVito, o ator que também fez um interno no filme “Um Estranho no Ninho”, é Pingüim, uma aberração que é desprezada pelos pais e que é abandonada nos esgotos da cidade de Gotham. O personagem é caricato: baixinho, gordo, desprezível. Como já havia citado o seu guarda chuva, vale dizer que o Pingüim é a imagem do Dr. Caligari.

Já a bela Michelle Pfeiffer, faz a Mulher Gato. Em um dos papéis mais sexys de sua carreira. A fantasia de couro preto toda remendada povoou a cabeça de muito marmanjo, e seu affair com Batman rendeu ótimos momentos no filme.

No geral, os filmes tem um estilo único e a direção enriquece este olhar fantástico de Tim Burton. Mas porque diabos a franquia foi parar na mão do ‘coveiro’ Joel Schumacher?
Na realidade, Burton começou a trabalhar em um 3º filme, mas a Warner Bros arregou quando viu que o filme ia seguir o mesmo tom de “Batman – O Retorno”, pois os estúdios consideraram o segundo Batman, muito difícil de se vender. Culpa de meia dúzia de críticos borra-botas e de pais mala-sem-alça que acharam o filme muito “escuro” e violento... Catzo! É BATMAN!
Mas enfim, a Warner queria um filme mais família... Então trocou de diretor e ofereceu uma fortuna para que Michael Keaton continuasse no papel de herói. Agora foi a vez de Keaton pedir arrego, alegando que o próximo filme iria ser muito inferior as obras de Burton.

Mandou bem Keaton, mas deixou de ganhar 35 milhões de doletas! Um dos maiores salários já oferecidos naquela época. E o papel foi parar na mão de Val Kilmer, WADAFOCK?! E daí em diante, a franquia foi ladeira abaixo... Até o “Begins” botar ordem no barraco.

Especial The Dark Knight - Batman Begins

Porque se o Dark Knight teve todo esse furor em volta, o Batman Begins não fica devendo muita coisa não.


É claro, não tivemos nem nada parecido com a fantástica campanha de Marketing que absorveu o universo de The Dark Knight, mas mesmo assim o primeiro filme de Mr. Nolan frente ao Morcegão não fica devendo não.

A história da um re-boot nos filmes do Señor Tim Burton e nos apresenta um super-herói muito mais crível. Muito mais real! Um Batman de verdade.

As origens do personagem são mantidas, porém a abordagem é muito mais realista. As reflexões são mais realistas, as respostas são mais verdadeiras...

Logo no início do filme somos apresentados à mecânica que permeará a história. Flashbacks da infância de Wayne, Flashbacks de alguns anos atrás e o Presente.

Somos apresentados a um Bruce Wayne e uma Rachel Dawes novinhos, brincando no jardim da mansão Wayne, até que o pequenino Bruce cai em um túnel e é atacado por diversos Morcegos!

Numa manobra digna de Lost, vemos Bruce Wayne com barba e sujo pra danar acordar de um enorme pesadelo numa prisão chinesa mega-zuada. Pelo que pudemos perceber, ele é constantemente atormentado por uns idiotas locais. Idiotas, digo eu, pois também conseguimos perceber que o pré-batman desce o cacete em todos regularmente.

Nesse momento somos apresentados ao grande Henri Ducardi, que você ainda não sabe ser na verdade o mestre Ra’s Al Ghul e só vai descobrir lá pro final do filme, mas ele aparece assim que Bruce Wayne “ganha” dos guardas algo similar à uma prisão solitária.

Apesar do que muitos de nós esperávamos do filme, o treinamento todo do Bruce Wayne/Batman é baseado no esquema da Vingança. Da força. Tudo bem que tem o lado da moral e tudo mais, mas a pancadaria vingativa é o foco. (e eu adorei isso).

Devo dizer que essa simples introdução fez do Batman um cara muito mais crível do que um simples playboy que aprendeu a meter porrada e fazer mingal de bandidos.

Após alguns Flashbacks e FlashPresentes (existe isso?!) somos apresentados a trama real do filme. Mestre Wayne, já transformado em Batman, volta para Gotham City e resolve melhorar a cidade pelas próprias mãos. Apesar de ser o mais novo vigilante da parada, ele ainda mantém o estilo bon vivant que o fez consagrado até então. Além de se fantasiar de negro da noitche, ele também voltou ao controle da Wayner Enterpraises e fez por merecer a companhia.

Mas nem tudo é maravilha na pacata cidade de Gotham e um roubo de carga de um navio das indústrias Wayne pode colocar tudo em risco. Scarecrow, clássico bandidão dos quadrinhos, está trabalhando para Ra’s Al Ghul na eminente tentativa de destruir Gotham!
Exatamente. Destruir Gotham!

Nesse momento fica claro o que Ra’s avisa Bruce durante seu treinamento. O grupo ali organizado serviu para destronar as grandes porcarias da sociedade. Sempre que uma cidade/civilização entre em descontrole, uma força da “natureza” entra em ação para normalizar as coisas e não deixar fogo sobre fogo.

Dito e feito. Após algumas coisas e outras revelações, Ra’s realmente coloca fogo na mansão do mestre Way a fim de destruir um dos principais alicerces de uma das cidades mais bizarras do mundo.

Não contente com isso, Ra’s ainda “organiza” um motin que resulta na fuga de praticamente todos os presidiários do fantástico Asilo Arkham.
Agora faça as contas comigo... todos os presidiários do manicômio, mais uma substância mega maluca no ar que deixa as pessoas birutinhas, mais um super-herói maluco travestido de morcego. Só pode resultar em merda isso, né?! Pois bem, você acertou!

Mas aquele treinamento todo que o Bruce teve, foi só pra bater nos outros!? Basicamente sim, mas ele aprendeu a lição derradeira. Vingança é a chave do negócio.
Batman e Ra’s travam a bela batalha dentro de um dos trens da cidade (curiosamente criados pelo papi de señor Wayne) e, num derradeiro momento, Batman deixa Ra’s AL Ghul cair para a morte com a explosão do trem enquanto ele foge tranquilamente.

Bruce Wayne aprendeu a verdadeira lição. Batman está, definitivamente, formado!

Rachel Dawes ainda participa de um momento ferrado no filme. Ele, brucezinho, confirma para ela que é o grande Batman (afinal, ele gosta mesmo é de impressionar a senhorita Rachel) e tudo acaba bem.

NOT

O futuro Comissário Gordon, ainda um policial de boa, apresenta um caso novo ao Batman

"The Suspect has killed two people and has a taste for the theatrics like Batman"
E entrega uma carta de baralho para o vigilante mascarado.
A deixa está pronta...
Pronta para um dos melhores filmes que eu já vi na minha vida: Batman The Dark Knight

Notícias: Games: Xbox Live FREE?!



Será que agora vai?!
O Jornal inglês The Guardian está com uma enquete em pauta, no mínimo, provocativa.
How Long can Microsoft charge for Xbox Live?!
Ou seja, Por quanto tempos mais a Microsoft vai cobrar o acesso ao Xbox Live?!

Vale lembrar que o serviço já é free para os games de PC e também a PlayStation NetWork (a live do ps3) tem conseguido um crescimento enorme.
Será que isso vai refletir algo para nós?! Por que, se o motivo para a Live não vir pro Brasil eram os altos custos.. agora que não terá mais custo nenhum para o usuário final.. é nói?!
\o/

segunda-feira, 21 de julho de 2008

Especial The Dark Knight - O Cavaleiro de Gotham


Uma animação voltada para o público mais velho tornou-se parte dos planos da DC apenas por causa do sucesso da linha animada da Marvel, como os desenhos dos Supremos. Até então, o foco era a linha infantil da editora, com desenhos como Novos Titãs e até mesmo O Batman. Porém, o risco pareceu ter valido a pena. “Batman: O Cavaleiro de Gotham” ganhou censura PG-13 nos EUA, e acaba de chegar por aqui em DVD.
Assistindo aos 6 curtas é impossível não se lembrar da animação Animatrix, que explicava um pouco mais da mitologia da saga dos irmãos Wachovski. Também é difícil não pensar na abertura de Batman: The Animated Series, a sensacional série de animação do homem morcego nos anos 90 – a abertura mostrava um grupo de ladrões roubando um banco, fugindo da polícia apenas para serem surpreendidos pelo Batman no topo de um prédio. Nessa seqüência, o personagem era apenas uma força da natureza agindo contra os bandidos de maneira rápida e precisa. É assim que o Cavaleiro das Trevas é retratado na maior parte dos contos. Rápido e preciso. Quase um coadjuvante em algumas histórias.
“O Cavaleiro de Gotham” foi feito para unir os dois filmes, mas sem invadir o universo de Chris Nolan. Uma continuação de Batman Begins, dando o tom da nova aventura cinematográfica do Homem Morcego.

Agora...
Será que vale a pena?
Os episódios do DVD são:

Eu Tenho Uma História Para Você:
Melhor que qualquer acessório do seu cinto de utilidades, a maior arma do Batman na luta contra o crime é o medo que ele infiltra no coração de seus inimigos. Isso se da desde seu uniforme, sua postura, até o modo como ele usa as sombras em seu favor. Esse conto mostra bem isso na visão de três crianças, criando três Homens Morcegos diferentes. Apenas no final a realidade – e o verdadeiro heroísmo – aparecem.

Fogo Cruzado:
O Asilo Arkham serve como pano de fundo para uma briga entre dois chefões do crime, e dois policiais se encontram bem no centro disso tudo. Conhecido por suas histórias policiais envolvendo o Morcego, como as de Gotham Central (gotham City Contra o Crime, lançadas por aqui em 5 encadernados pela editora Panini), o escritor Greg Rucka aprofunda aqui o relacionamento entre o Batman e a polícia, inclusive usando um personagem bem conhecido pelos leitores, o detetive Crispus Allen.

Teste de Campo:
Se o conto anterior visava mostrar a relação entre Batman e a polícia de Gotham City, este mostra um pouco do relacionamento entre Bruce Wayne e Lucius Fox (interpretado por Morgan Freeman nos filmes). Além disso ainda dá seqüência à trama anterior e mostra o quanto uma vida é importante para o herói, seja ela inocente ou não.

Esconderijos na Escuridão:
Batman contra o Espantalho e o Crocodilo nos esgotos. A uma trama escrita por David Goyer, roteirista de Batman Begins, é também a que mais se conecta com o primeiro filme da nova franquia do personagem, criando a liga que a animação se compromete a ser.

Lidando com a Dor:
Melhor dos contos na opinião desde aqui que vos escreve, é uma seqüência direta de Esconderijos na Escuridão, escrita pelo premiado roteirista Brian Azzarello (da HQ “100 Balas”). Além de mostrar o Batman tentando escapar do esgoto em que se meteu, o conto foge do conceito que o personagem rodou o mundo apenas para aprender a lutar e mostra Bruce Wayne aprendendo a lidar com a dor, seja com seus ferimentos externos ou com seus demônios internos. Aqui o psicológico é mais importante que o físico. Se no conto anterior o personagem era praticamente indestrutível, aqui o principal é mostrar que o herói é apenas um homem em uma roupa de morcego, e nem tudo é fácil para ele.

Pistoleiro:
A última animação mostra o homem morcego lutando contra o assassino Pistoleiro (Deadshot no original), e apresenta o repúdio que Bruce Wayne tem de armas, pelas mesmas terem causado a morte de seus pais. Talvez a mais divertida em termos de ação, mostrando ao mesmo tempo a coragem do herói e a covardia do bandido.

Toda criada no formato de anime, “O Cavaleiro de Gotham” faz parte de uma série de animações que será lançada pela DC. Além dele ainda fazem parte “Liga da Justiça – A Nova Fronteira” (baseada na premiada HQ de Darwin Cooke), a ainda inédita “Superman/Doomsday” (baseada na saga “A Morte do Superman”) e as futuras animações da Mulher Maravilha e dos novos Titãs (a primeira tomará como base a reinvenção da heroína pelas mãos de George Pérez, e a segunda adaptará a HQ “Contrato de Judas”)
As primeiras animações não decepcionaram.
Vamos ver o que o futuro reserva...

Especial The Dark Knight - Frank 'fuckin' Miller


Poucas pessoas podem se gabar de serem divisoras de águas.
E do mesmo jeito que o mundo se divide entre A.C. e D.C., o mundo de Batman se divide e, A.F. e D.F. – antes e depois de Frank Miller.

Depois de amargar fases cômicas e ingênuas, o herói estava tentando voltar às suas origens sérias pelas mãos da dupla Neil Adams e Denny O’Neil.

Já consagrado devido sua passagem pelo título do Demolidor, Miller foi chamado pela DC para revitalizar seu personagem que mais havia sofrido devido ao código de censura americano e à perseguição promovida pelo psiquiatra Fredric Wertham. Mas como alterar de forma tão drástica um personagem icônico que fora criado como um detetive violento que não se importava em deixar os criminosos morrerem e passou a ser um personagem comigo e ridicularizado?

A resposta está em O Cavaleiro das Trevas, que mostra o futuro de Gotham City, dominada pelo crime e com um Batman violento, masoquista e... que se diverte com tudo isso!

A HQ mostra o confronto definitivo entre Batman e o Coringa, além da luta final entre o Homem Morcego e o Homem de Aço, Superman.

Naquele momento, qualquer lembrança do Batman preso em uma supergeringonça e se salvando ao tirar do cinto algo extremamente conveniente (“Oh, meu Deus, estou preso nessa guilhotina que se ativará assim que aquele rato roer a corda e soltar a lâmina. Ainda bem que eu estou com meu bat-dissolvente de correntes!”) foi apagada e devidamente substituída pela imagem brutal de um personagem perturbado e até com certos requintes de crueldade.

A série, claro, foi um sucesso, principalmente por ter sido lançada quase que simultaneamente com outro divisor de águas, Watchman, do roteirista Alan Moore.

Logo depois, Frank Miller se juntou ao desenhista David Mazzuchelli e criou a origem definitiva do herói, Batman – Ano Um. Todas as histórias do personagem escritas depois dessa fase se baseiam nessas duas histórias.
E quando estava no topo do mundo, Frank Miller resolveu criar sua própria série pela editora Dark Horse, o sucesso Sin City. Enquanto isso, ao longo da década de 90, os quadrinhos resolveram se tornar mais violentos e sombrios, onde o que importava eram os músculos dos heróis, o sangue-frio dos anti-heróis e os corpos das heroínas. Foi a época em que fizeram sucesso personagens como Wolverine, Elektra, Venon e Justiceiro, e que culminou na criação da Editora Image.

Na DC isso não passou batido. O Arqueiro Verde se tornou sombrio (e depois morreu), o Lanterna Verde enlouqueceu (e depois morreu), o Aquaman teve a mão decepada, o Superman morreu (e depois voltou). Personagens femininas como Mulher Maravilha e Mulher Gato eram desenhadas com formas completamente desproporcionais, para atrair a atenção masculina. Mas e o que fazer com um personagem que já era a personificação da escuridão? Bem, vamos torná-lo ainda mais sombrio. Ao menos essa roupagem combinava bem com o personagem...

Foi então que aconteceu o que todos esperavam... mas não da maneira que todos esperavam.

Frank Miller anunciou que voltaria a escrever o personagem que o alçou às alturas. Mas não seria uma história qualquer, ou mesmo um título regular. Seria a continuação da série que havia escrito 15 anos antes, O Cavaleiro das Trevas. A notícia, claro, dividiu opiniões... assim como a continuação em si. Com um roteiro confuso e desenhos estranhos, Miller criou uma espécie de “anti-Cavaleiro das Trevas”, com um visual colorido e um clima baseado nas histórias dos anos 60. Cavaleiro das Trevas II não é uma história ruim, mas é impossível ler uma página sequer sem compará-la à história original. E comparar QUALQUER COISA com Cavaleiro das Trevas é simplesmente uma grande covardia.

De lá pra cá, Frank Miller se tornou uma espécie de paria para alguns leitores, mesmo para alguns de seus fãs mais fieis. Depois de Cavaleiro II, ele disse ter interesse em escrever uma história que envolveria o Batman versus o terrorista Osama Bin Laden, entre outras excentricidades. Tornou-se diretor com o filme baseado em sua criação, Sin City. Agora ele está as voltas com a adaptação de outro título clássico, o Spirit.

Com o lançamento da linha All-Star da DC que visava a criação de histórias fora da cronologia normal, foi anunciado que a série do Batman seria escrita por Miller e desenhada pelo pop-star Jim Lee, motivo de euforia da maioria dos bat-fãs. Mas o roteirista resolveu aproveitar a liberdade dada pela linha All-Star e resolveu mudar tudo no Homem Morcego. Ele agora é um verdadeiro fdp, que profere palavrões enquanto quebra os ossos de bandidos e amedronta um jovem Dick Grayson, mesmo que este tenha acabado de ver seus pais morrerem. A versão “Dirty Harry” do personagem não agradou a maioria dos leitores.

Frank Miller já passou da fase de se preocupar com a opinião dos outros. Muitos leitores dizem que ele apenas procura agora chocar o máximo de pessoas possíveis com seus roteiros grosseiros e cada vez mais pessoais.

Do mesmo jeito que ele chocou o mundo há mais de 22 anos, com a criação do clássico definitivo do Cavaleiro das Trevas.

E já devíamos ter aprendido que, enquanto Frank Miller continuar com esse desejo de chocar os admiradores da sétima arte... nós, os leitores, só temos a ganhar.

Especial The Dark Knight - Top 5 Batman HQ


Ele já teve a coluna quebrada. Viu sua cidade ser devastada por uma epidemia e por um terremoto, antes de tornar-se uma “terra de ninguém”. Viu parceiros morrerem e amigas sendo aleijadas. Acumulou os piores inimigos que alguém pode ter, palhaços insanos, amigos desfigurados, ventríloquos, monstros irracionais e os piores tipos de homicidas lunáticos que um roteirista pode imaginar.
Por tudo isso, talvez seja impossível definir as 5 histórias definitivas do Batman. Sempre estará faltando “aquela” trama memorável, afinal, cada fã tem seus momentos favoritos...
Estes aqui são os meus:

BATMAN - ANO UM
É a história definitiva, que conta como tudo começou. Desde o assassinato do casal Wayne até o uniforme de morcego. Da chegada de James Gordon a Gotham ao primeiro grande trunfo do Batman. Os primeiros passos daquele que se tornaria, mais que um símbolo, uma lenda.

Por que está na lista:

É o início de tudo, poxa vida! Mostra enfim um personagem que sabe que não adianta combater a loucura apenas vestindo uma roupa exótica e distribuindo SOCs e POWs. É preciso imprimir o medo no coração de cada criminoso. Todo o começo de carreira do herói está aí, saído da cabeça de Frank Miller e definindo-o como o possível numero 1 na lista de melhores roteiristas do Homem Morcego. Mas a história de Miller com o personagem começou um pouco antes de “Ano Um”. Mais precisamente com a próxima história da lista...


BATMAN - O CAVALEIRO DAS TREVAS
No futuro, Bruce Wayne é um senhor aposentado, mas que não consegue deixar para trás seu passado heróico. Isso, somado a gangues de rua e ao retorno de antigos vilões (e amigos) o fazem a voltar a vestir seu antigo uniforme e mostrar quem realmente manda em Gotham City.

Por que está na lista:

Pergunte a 100 fãs de quadrinhos as 5 melhores histórias já escritas. Aliás. para não ter erro, coloque quantos zeros você quiser na frente desse número 100, e você verá que é unanimidade. Você verá que TODOS colocarão “Cavaleiro das Trevas” na lista. Boa parte, aliás, a colocará em primeiro lugar. A história é um clássico, um marco nos quadrinhos. Não seria de se estranhar se, sem essa história, o Batman ainda soltasse uma gargalhada divertida ao final de cada história, bem ao estilo Superamigos de ser. “Cavaleiro das Trevas” criou um Batman realmente amedrontador e psicologicamente complexo. E o principal, “Cavaleiro das Trevas” deu o tom de todas as histórias que viriam a seguir...

ASILO ARKHAM
Os loucos tomaram o asilo. Esse é o McGuffy usado para um jogo psicológico entre Batman e todos seus inimigos, orquestrado pelo Coringa. Não importa mais sair vivo de toda essa loucura... o mais importante é sair SÃO!

Por que está na lista:

Se Frank Miller consolidou-se como o melhor roteirista do Batman de todos os tempos, Grant Morrison provou com méritos ser o dono do segundo lugar, tanto em sua passagem pela Liga da Justiça (onde deu especial atenção ao personagem) quanto nessa história. Um cara que sai às ruas todas as noites vestido de morcego é tão louco quanto um assassino vestido de palhaço, e é isso que “Asilo Arkham” mostra. Todos temos um louco dentro de nós. O que nos faz ser o que somos é como (ou por quanto tempo) conseguimos aprisionar esse louco. O roteiro é um mergulho ao ponto mais fundo, sombrio e assustador da psique humana, mostrado pela arte caótica e não menos brilhante de Dave McKean. Cenas como a “passada de mão” do Coringa no herói ou a que mostra o Batman enfiando um caco de vidro na mão para manter a sanidade, “Asilo Arkham” mostra como nenhuma outra história a fina linha que separa o homem da insanidade. E o maior exemplo de toda essa loucura é o causador de uma das maiores perdas da vida do Morcego...

MORTE EM FAMÍLIA
Em 1989, a DC criou uma espécie de Você Decide com seus leitores. Seriam eles que iriam decidir o destino de Jason Todd, o segundo garoto a usar o nome Robin ... caso quisessem que ele vivesse, teriam que ligar para determinado número de telefone. Caso quisessem decretar sua morte, ligariam para um outro número. Como resultado, por uma margem muito pequena de diferença, o Coringa espanca o menino-prodígio com um pé-de-cabra e o mata em uma explosão.

Por que está na lista:

Essa é a história que mostra o quão longe pode ir a loucura. Um ano antes, o Coringa atingiu um tiro em Bárbara Gordon, a Batgirl, destinando-a a viver eternamente presa a uma cadeira de rodas. Mas desta vez foi diferente. O vilão não mata apenas um personagem não muito popular, mas sim um símbolo. O Robin foi o primeiro dos sidekicks – ou parceiros mirins de super-heróis, conceito que depois foi muito usado nos quadrinhos. Mais que isso, o personagem foi pego indefeso, espancado a golpes de um pé-de-cabra e explodido junto de sua mãe. Uma história que marcou para sempre o relacionamento entre Batman e Coringa, além de criar um sentimento de culpa no Cavaleiro das Trevas e ainda abrir caminho para o surgimento do mais popular Robin de todos, Tim Drake. Claro que ninguém realmente morre nas histórias em quadrinhos, e Jason Todd já levantou do túmulo... mas isso não tira em nada a importância dessa história.

BATMAN - EGO
Confrontado com as conseqüências de seus atos, Bruce Wayne revê seu papel como herói. E principalmente define qual a sua verdadeira identidade: Bruce Wayne ou Batman.

Por que está na lista:

Certo. Com certeza você esperava um “A Piada Mortal”. Ou talvez um "Longo Dia das Bruxas", ou um “Terra de Ninguém”. Ou até mesmo um “Silêncio”, ou qualquer outra saga memorável do Batman. Mas não... pra mim, “Ego” significa para o Cavaleiro das Trevas o que “O Menino que Colecionava Homem Aranha” significa para o escalador de paredes. Uma história tocante, com pouca ação, que mais do que mostrar um herói lutando, mostra o porque dele lutar assim. O Batman é o medo, a culpa, a responsabilidade, a vingança de Bruce Wayne. Mas também é um símbolo de esperança. E por mais que certo lado prevaleça em alguns momentos, o Batman precisa de Bruce Wayne para existir, e visse-versa. Não existem máscaras. Não existe Batman. Não existe Bruce Wayne. O roteirista e desenhista Darwin Cooke cria aqui a história que define o personagem, e isso já é o bastante para estar no meu Top 5.

Principalmente porque definir um dos personagens mais complexos dos quadrinhos não é uma tarefa das mais fáceis...

domingo, 20 de julho de 2008

Especial The Dark Knight


Pronto.
Finalmente, após três vezes no cinema eu ACHO que consigo escrever algo sobre o batman.
Durante alguns dias eu realmente achei que fosse impossível ultrapassar aquele primeiro texto, The Dar Knight (parte 1). Mas não consegui me contentar. Um filme tão fantástico merecia uma resenha a altura. Ou que pelo menos tentasse chegar próxima.

Hoje começa, oficialmente, o Especial do PuroPop para o maior filme do ano:
THE DARK KNIGHT

Teremos os filmes antigos, a série, alguns quadrinhos obrigatórios, principais vilões, principais escritores... tudo com a cara do PuroPop que você já conhece.
Assumo que nenhum desses textos foi fácil. Todos os escritores têm familiaridade suficiente com o personagem para escrever sobre ele, mas nenhum de nós estava preparado para encarar algo como o Dark Knight em comparação. Nenhum de nós estava preparado para aquele filme... ninguém estava.

Tudo começou há mais de um ano com os virais, a incrível campanha de marketing que rodeou o filme até hoje – e vai continuar – também com a terrível notícia da morte do fantástico Heath Ledger, e com os trechos das filmagens e bastidores... bom, o filme foi grandioso desde seu início.
Após entrar em sites americanos madrugadas a fio, correr pela paulista feito um maluco atrás de um trailer fantástico, falar ao telefone com o Comissário Gordon e entrar para a equipe do Coringa não tinha como eu ficar MAIS empolgado com esse filme.

Todas as expectativas eram enormes, todos os rumores eram fantásticos... SERÁ que o filme daria conta do recado? SERÁ tudo uma campanha de marketing como aquelas que estamos acostumados... MAIOR que o produto final? Ou não?! Quem sabe o filme é tudo isso mesmo, quem sabe o roteiro é tão fantástico assim, quem sabe a atuação do coringa realmente foi à definitiva.

Eram muitas perguntas sem respostas...

Segunda-feira passada eu tive a oportunidade de assistir o filme pela primeira vez.
- E só publicou o texto hoje?! E vagabundo.... Pois não é bem assim, meus amigos..

Ao sair do cinema ao lado do meu amigo Borbs eu fiquei quieto. Minha cara de espanto se espalhava na de todos os outros participantes da sessão. Minha descrença pelo que eu tinha visto me acompanhou pelo resto dos próximos dias.
NADA, eu digo.. NADA, poderia ter me preparado para aquelas 2h32min de O Cavaleiro das Trevas.
Não contente com a minha falta de capacidade para colocar no papel as emoções daquele filme, lá fui eu novamente assistir a criança antes da estréia oficial. Quinta-feira e eu estava na pré-estréia organizada pelos amigos do Omelete. E MAIS uma vez eu sai quieto. Mais uma vez eu fiquei impressionado... mais uma vez não havia como colocar algo no papel.
Sábado, dia 19, e eu volto ao cinema na companhia de 3 amigos para analisar, finalmente, o filme.
Pois agora era correto. NÃO TEM COMO ESCREVER ALGO A MAIS QUE O The Dark Knight (Parte 1)
As três vezes me fizeram sair do cinema embasbacado. As três vezes me fizeram sair do cinema impressionado. As três vezes eu achei o filme perfeito.
Simples assim:
BATMAN - THE DARK KNIGHT NÃO TEM ERRO. É O FILME PERFEITO.

Posso dizer que, sinceramente, a frase acima é a MELHOR resenha/definição para esse filme.

Parabéns aos criadores, parabéns aos idealizadores, parabéns ao Nolan que fez um trabalho FANTÁSTICO de direção, aos atores pelas perfeitas participações e a todos os envolvidos.
O único problema desse filme é pensar que o incrível Heath Ledger não pode ver seu resultado final. Não pode ver a maravilha que seu trabalho resultou... Não pode ver o Papel de sua Vida.

Bem vindo ao primeiro especial da vida do PuroPop.Estamos honrados de dedicar nossa primeira série de posts temáticos ao Batman. Ele merece.

sexta-feira, 18 de julho de 2008

Notícias Cinema e Quadrinhos: Trailer de Watchmen

Yé! Já está na internê o trailer do filme Watchmen, adaptação dos quadrinhos de sucesso de um tal de Alan Moore aí. É um excelente aperitivo para os fãs já que o filme só será lançado em 6 de março do ano que vem.


Para conferir o trailer é só dar o Play.

terça-feira, 15 de julho de 2008

Review Cinema: The Dark Knight (part 1)

É difícil começar a falar de The Dark Knight.
Não quero me estender aqui. Não quero e nem poderia tirar o brilho e a surpresa do filme nem com todos os spoilers do mundo..
Mas eu adianto... The Dark Knight mudou o rumo dos filmes baseados em quadrinhos.
Ficou pequeno pra Marvel, ficou pequeno pro Ferroso. Ficou pequeno pro Hulk!

É um filme Épico, é um filme extremamente Grandioso. É um filme F-O-D-A!

Posso falar tranquilamente que ele realmente começa com aquele prólogo que rolou no I-MAX da gringa onde o(s) coringa(s) assalta(m) um banco. É uma seqüência incrível, fantástica... É uma seqüência que te deixa pilhado para o filme, mas incrivelmente não te prepara pra TUDO o que está por vir... é tudo muito maior!

Heath Ledger está um animal. Só posso dizer um grande VTC por ele ter morrido. Foi o papel da vida dele. Sim, ele está tudo isso que o povo tem falado... e MAIS.

O roteiro é animal, a iluminação é perfeita, a edição é fantástica, as atuações fenomenais...
Enfim, o filme é FODA.

100% recomendado. Mas fica uma dica... não assista uma única vez.
(eu mesmo, que já vi uma vez, tenho mais 2 sessões garantidas!)
div>

Notícia Games: Setlist Rock Band 2

Foi divulgado na E3 a lista das músicas do próximo Rock Band, jogo musical que simula uma banda completa. A lista tem algumas surpresas positivas como a fantástica Let There Be Rock do AC/DC, Testify do Rage Against The Machine e uma música pseudo-inédita do Chinese Democracy, album "trote" do Guns 'n Roses! Já as surpresas esquisitas.... Temos uma música da Srta. "Alanês Morre Siete", WTF!?

Músicas


AC/DC - Let There Be Rock
AFI - Girl’s Gone Grey
Alanis Morissette - You Oughta Know
Alice in Chains - Man in the Box
Allman Brothers - Ramblin’ Man
Avenged Sevenfold -Almost Easy
Bad Company- Shooting Star
Beastie Boys - So Whatcha Want
Beck - E-Pro
Bikini Kill - Rebel Girl
Billy Idol - White Wedding Pt. I
Blondie - One Way or Another
Bob Dylan - Tangled Up in Blue
Bon Jovi - Livin’ on a Prayer
Cheap Trick - Hello There
Devo - Uncontrollable Urge
Dinosaur Jr. - Feel the Pain
Disturbed - Down with the Sickness
Dream Theater - Panic Attack
Duran Duran - Hungry Like the Wolf
Elvis Costello - Pump It Up
Fleetwood Mac - Go Your Own Way
Foo Fighters - Everlong
Guns N’ Roses - Shackler’s Revenge
Interpol - PDA
Jane’s Addiction - Mountain Song
Jethro Tull - Aqualung
Jimmy Eat World- The Middle
Joan Jett - Bad Reputation
Journey - Anyway You Want It
Judas Priest - Painkiller
Kansas - Carry On Wayward Son
L7 - Pretend We’re Dead
Lacuna Coil - Our Truth
Linkin Park - One Step Closer
Lit - My Own Worst Enemy
Lush - De-Luxe
Mastodon - Colony of Birchmen
Megadeth - Peace Sells
Metallica - Battery
Mighty Mighty Bosstones - Where’d You Go
Modest Mouse - Float On
Motorhead - Ace of Spades
Nirvana - Drain You
Norman Greenbaum - Spirit in the Sky
Panic at the Disco - Nine in the Afternoon
Paramore - That’s What You Get
Pearl Jam - Alive
Presidents of the USA - Lump
Rage Against the Machine - Testify
Ratt - Round & Round
Red Hot Chili Peppers - Give it Away
Rise Against - Give it All
Rush - The Trees
Silversun Pickups - Lazy Eye
Smashing Pumpkins - Today
Social Distortion - I Was Wrong
Sonic Youth - Teenage Riot
Soundgarden - Spoonman
Squeeze - Cool for Cats
Steely Dan - Bodhitsattya
Steve Miller Band - Rock’n Me
Survivor - Eye of the Tiger
System of a Down - Chop Suey
Talking Heads - Psycho Killer
Tenacious D - Master Exploder
Testament - Souls of Black
The Donnas - New Kid in School
The Go-Go’s - We Got the Beat
The Grateful Dead - Alabama Getaway
The Guess Who - American Woman
The Muffs - Kids in America
The Offspring - Come Out & Play (Keep ‘em Separated)
The Replacements - Alex Chilton
The Who - Pinball Wizard


Bônus
Abnormality - Visions
Anarchy Club - Get Clean
Bang Camaro - Night Lies
Breaking Wheel - Shoulder to the Plow
The Libyans - Neighborhood
The Main Drag - A Jagged Gorgeous Winter
Speck - Conventional Lover
The Sterns - Supreme Girl
That Handsome Devil - Rob the Prez-O-Dent

sexta-feira, 11 de julho de 2008

Notícia Games: Megaman 9

Informações sobre Mega Man 9!

Fãnszíneos do Mega Homem podem comemorar, a Capcom irá lançar um novo jogo do Mega Man para WiiWare, XBOX Live e PSN (ou seja os canais de download de jogos de todas as plataformas da nova geração).

O jogo deverá ser lançado até o final do ano, e indo contra a maré, o jogo não tem gráficos melhorados, pelo contrário!!! Os gráficos seguem a mesma linha dos jogos do saudoso Nintendinho! É um presente para fãs hardcore e saudosistas.
Check it out no vídeozineo abaixo:

E para quem tem o Nintendo Wii, mais uma ótima notícia a Capcom assegurou que irá lançar em breve Megaman 1 e 2 no Virtual Console! Yeah!

quinta-feira, 10 de julho de 2008

O Novo Sherlock Holmes


Para os que esperavam novidades sobre o novo filme do mais famoso detetive da literatura (claro, se excluírmos o Batman), essa não é tão elementar.

Foi confirmado para o papel principal o ator Robert Downey Jr, que nas horas vagas também tira onda que é cientista espacial - e continuará tirando, visto que com a renovação de contrato do diretor Jon Freveau a franquia Homem de Ferro confirma também seu protagonista!
Guy Ritchie, do insano "Snatch - Porcos e Diamantes", assinará a direção da versão séria de Sherlock Holmes, que precisará enfrentar como concorrente a versão humorística do detetive, que contará com Sacha Baron Cohen no papel principal e Will Ferrell como o ajudante Watson.
O interessante é perceber que, ao que parece, Downey Jr tomou gosto por franquias, personagens famosos e quadrinhos. Afinal, o filme será baseado em uma HQ ainda inédita de Lionel Wigram, e o estudio Warner Bros. já afirmou que quer revitalizar o nome Sherlock Holmes como Chris Nolan fez com a marca Batman.
Por isso, se a fórumula der certo, outros filmes virão...
O que eu acho disso?
Olha, sou fã de carteirinha do Robert Downey Jr... mas não enxergo o cara como o sr. Holmes!
Sei lá, eu imagino um cara de rosto longo, queixudo, alto... tudo o que o Tony Stark de carne e osso NÃO é!!!
Bom, o jeito é esperar...
E ver quem eles arrumam para ser o Watson!!!

Review Cinema: Teeth

Filme: Teeth
Título Original: Teeth
EUA - 2007
88 minutos

Diretor: Mitchel Lichtenstein
Elenco: Jess Weixler, John Hensley, Ashley Springer.

“Um peixe habita a vagina da Mãe Terrível; o herói é o homem que vencer a Mãe Terrível, quebrar os dentes da sua vagina, e então a tornar numa mulher.”

Como ninguém havia feito um filme sobre isso antes!? – Você deve se perguntar...
Pois bem, it has been DONE! =D

Mas vamos com calma. Esse filme, Teeth, requer uma breve introdução.
Como devo configurá-lo? PuroPop ou PuroPoop?! Afinal, um filme essencialmente Trash é um filme Poop?!

Eu, pessoalmente, acho que não. Sou fã de produções toscas e pobres feitas pela diversão e somente por isso. Porém odeio filmes como o Fim dos Tempos, um blockbuster que simplesmente foi mal feito, sem cuidado, sem amor!
Vale também dizer que, em muitos casos, os filmes trash carregam muito mais paixão e tesão de seus idealizadores do que um filme feito pensando na bilheteria e na comissão do diretor, certo?!

À história do fantástico Teeth.

O filme nos apresenta a epopéia de uma moçoila, Dawn (vivida por Jess Weixler), a mais animada e inspirada líder and CEO de um grupo conhecido por Purity que prega à auto-preservação até o casamento, Ou seja, só libera o anel se alguém der outro anel (pegou?).

Logo no início somos apresentados ao problema que persegue a guria pela vida, sem contar o fato dela morar nas sombras de uma enorme usina nuclear (que não tem desenvolvimento ALGUM no filme).
Sabe aquela brincadeira de “flesh yours and I’ll flesh mine”? Não?. É coisa de americano xxx mesmo então não tem problema. Mas a menina esta numa daquelas piscininhas portáteis com seu irmãozinho e eles combinam de mostrar as devidas ferramentas ao próximo.
Após John mostrar o peru é a vez de Dawn mostrar a perereca... O meninão, esperto que SÓ, resolver dar um checking com os dedinhos e...CRAW. É m-o-r-d-i-d-o!

Eis que alguns anos se passam e a mocinha já virou a "Lula" do Purity e tudo mais. Um belo dia, apareceu no grupo um cavaleiro alado, Ryan (Ashley Springer), e ali começam algumas descobertas e maravilhas da vida.

A menina, que nunca havia visto uma tchananã de outra moça, não sabe dizer se a sua é padrão ou não, o que ela sabe é aquilo que ela tem não é "normal"! Após algumas aulas de biologia sobre evolução e um belo cinema com os amigos (não, eles nem assistem filmes PG13 porque tem pegação forte, então eles ficam nos desenhos animados só) a mocinha é estuprada! OMG.

Eis aí que a maldição se torna uma benção... no meio da sacanagem, a guria morde o bilau do sujeito! PQP! M-o-r-d-e o bilau do sujeito. M-O-R-D-E!

Ai que a coisa começa a ficar tensa.

Além das descobertas sexuais e psicopatas, a garota ainda precisa lidar com trocentos problemas que incluem um meio-irmão metaleiro estereotipado (drogado, mal educado, metelão e cuzão), além de uma mãe doente e um padrasto meio... meio nada porque o cara é mó bonzinho...

Enfim, não vou falar mais MUITO porque o filme é bizarro DEMAIS. Mas é daqueles que merecem seus 90 minutos!

O PuroPop recomenda?! Eu diria que depende.
Você gosta de filmes trash?! Sem a menor pretensão?! Então SIM
Você é chato, bobo, feio e cara de mamão? Então NÃO!

=D

Alguns detalhes curiosos:

- Jess Weixler, a Dawn, foi Nominada na categoria de Melhor Atriz Revelação no Gotham Awards. (a atuação realmente é legal. E pensando em um filme teoricamente B, a atuação dela é muito legal).

- O filme ganhou o Prêmio Júri Especial no Festival de Gérardmer.

- Jess Weixler recebeu o Prêmio de Sundance pela sua atuação.


Notícia: Música: Encontrado álbum inédito de Jimi Hendrix



Quase quatro décadas depois de sua gravação é encontrado um álbum inédito do lendário guitarrista norte americano. Em parceria com Stephen Stills (Buffalo Springfield e Crosby, Stills , Nash & Young) Hendrix teria gravado esse disco a 40 anos atrás e Stills o teria perdido em meio á uma pilha de fitas antigas, o encontrando somente agora.

Stills era um aficionado por gravações e, em meio a tantas, acabou se esquecendo que havia feito um álbum com simplesmente o maior guitarrista de todos os tempos (um rapaz de boa memória!).

Grahan Nash (Crosby, Stills, Nash & Young), seu companheiro de banda, está ajudando Stills com o material. Ainda não foram revelados detalhes sobre a gravação e nem datas para o futuro lançamento.

Tomara a Deus que esse novo registro não demore tanto quanto Chinese Democracy (novo álbum do Guns N’ Roses na espera a mais de dez anos) para vir à tona.

terça-feira, 8 de julho de 2008

Review Cinema: O Fim dos Tempos

Filme: O Fim dos Tempos
Título Original: The Happening
EUA - 2008
91 (sofríveis) minutos

Diretor: M. Night Shyamalan
Elenco: Mark Wahlberg, Zooey Deschanel, John Leguizamo.

Mais uma “grande” obra do “mestre” Shyamalan.

Deixe-me realizar uma breve introdução...

A primeira vez que eu me deparei com alguma coisa feita por esse pseudo-diretor foi, como muita gente, com o Sexto Sentido. E eu simplesmente vibrei... Não era bem meu estilo de filme e tudo mais, mas eu fiquei marcado pelo garotinho que saw dead people e aquilo foi foUdido! Depois eu vi o legalzudo-para-nerds Unbreakable que tinha comics, um super-vilão e um super-herói.
“Nossa, esse cara é um animal” logo pensei. Ingenuamente como veremos a seguir.

“Sinais” tinha uma das idéias mais legais do segmento... um filmão de E.T mega louco, com destruições em massa e bem mais legal que Independece Day.
Pois é.. a ÚNICA cena que salvou foi ver a criançada sentada no sofá com o papel laminado na cabeça... aquilo foi sensacional! E SÓ. O resto do filme fede.
Onde já se viu alguém realizar um filme de E.Ts, mas que na real é sobre a fé. Santa desgraceira.

Ai veio “A Vila” e o sujeito acertou a mão.. Era isso que ele precisava um filmão mega louco e que fosse interessante. Eu sai do cinema e voltei a ser fã do sujeito.
Depois tivemos o “Dama da Água” e eu descobri que o sujeito teve SORTE nos filmes em que acertou... e agora fomos agraciados com o POOPMaster “The Happening”/ Fim dos Tempos.

Agora se tem UMA coisa que ele fez direito nesse filme, foi a escolha do título..
Posso deixar claro e dizer sem dó que o Fim dos Tempos é assistir essa joça.

Primeiro sinal da Desgraça:
Eu sei que muita gente faz assim, mas um diretor cercado de desconfiança não pode, em hipótese alguma, lançar um filme Dirigido, Escrito e Produzido por ele mesmo.
O que passou pela minha cabeça: “Carajo, Miguel. Ninguém comprou a idéia desse idiota e ele mandou ao esgoto e resolveu tocar tudo sozinho.”

Bom a estória é a seguinte. Around the World – NOT um vírus, ou suposto ataque terrorista, está fazendo com que as pessoas percam a noção de auto-preservação e se matem. Aqui acontecem as melhores coisas do filme.

Pudemos ver diversas mortes malucas e sem noção realizadas da melhor maneira possível. Construtores pulando de prédios; Coxinhas se matando com a própria arma; Prendedores de cabelo atravessando jugular e coisas singelas do tipo... deu até nojinho (ewwww) em algumas cenas, mas ficou legal e louco de pedra! \o/

- Nesse momento o ar-condicionado do cinema foi ligado e, eu acredito piamente, que esse gás ou whatever invadiu o cinema em baixa quantidade e nos causou alucinação. Só assim para todos da sala permanecerem até o final da palhaçada, quer dizer, do filme.-

Bom, tanta coisa legal para se realizar com um início de filme desse... o pequeno indiano (?!) poderia ter aproveitado loucamente essa matança sem noção, mas não. Ele caiu na própria arapuca e só mudou o pano de fundo, porque a história é a mesma bagaceira de sempre.

Adivinha...

Uma família com problemas, um casal que não se entende e precisa de um mal mais ferrado que Galactus para colocar as coisas no eixo e reatar o amor esquecido e blábláblá. Aquela pataquada de sempre.

Pois o cara, Elliot Moore (Mark Wahlberg) é um professor de ciência de uma escola em algum lugar do nordeste dos USA, onde estão rolando os ataques maléficos – e ele não tem o MENOR senso de atuação. Claramente o pior papel da vida de Wahlberg.
Mas voltamos ao filme...

Ele fica preocupadin e vaza de Philli com a problemática patroa e mais um casal de amigos. O trem onde eles estão para em uma cidade interiorana e decide não ir mais adiante já que vários casos são reportados e, teoricamente, toda a região ali foi atingida pelo ataque.

(cara, tem horas que o roteiro até desponta algumas coisas legais... mas não. Depois ele volta pro fundo do poço rapidamente)

Bom, acontecem algumas coisas irrelevantes e um tiozão doido de pó aparece e da uma das explicações mais estúpidas da história do cinema. Quem está causando esse “ataque terrorista” são as PLANTINHAS. Exatamente, as plantinhas.

FoUck Off. Eu não sou nenhum especialista em botânica, se isso for verdade: grandes merd*s digo eu... Agora gastar alguns MILHÕES de U$ para realizar um filme sobre plantinhas assassinas.. ai eu fico com o bom e clássico “Pequena Loja de Horrores” que é muuito mais legal, divertido e inteligente.

O resto do filme fica no casalzinho do inferno ai tentando sobreviver. Quer dizer.. se ficasse nisso seria legal até. Mas eis que surge uma senhora maluca (quanto maluco tem nesse filme...pqp) e pronto, o Índia esquece da trama original e foca numa sub-trama sem nexo algum sobre uma velha estúpida e enlouquecida esquecida pelo mundo que causa com o casal e uma guria (eles “adotaram” a filha do casal amigo deles que morreu). Nesse momento acontecem mais algumas cenas bizarras, sustos desnecessários, bonecas estranhas e outras coisas sem sentido.

Blábláblá acontecem umas coisas e a velha é afetada pela toxina.. se mata e prontoferrou. O casal se separa. – e aqui vem a máxima do indiano – após um momento de epifania eles decidem “quesefoda” e correm para se encontrar no meio de um gramado idiota. Bem naquele esquema que se for pra morrer, morra nos braços de quem você ama, sabe?

Ai, é claro.. quando eles realizam esse ato de amor incondicional (ew) a toxina parou de agir e eles vivem felizes para sempre...

... NOT.

Porque 3 meses depois o acontecimento rola no palácio de Versailles e a França vai pro saco também.

É isso. Uma grande e desgraceira produção cinematográfica digna de PuroPOOP.
Não digna do Coco D’OURO, mas chega bem perto. =D
(nota do editor: só espero que não façam uma seqüência. E, assim como eu desejo para Uwe Boll, proibam Shyamalan de fazer filmes).


segunda-feira, 7 de julho de 2008

Review Cinema: Hancock

Imagine se a idéia do personagem Super Homem tivesse surgido da cabeça de um brasileiro frequentador de botequim. Agora, imagine que esse dito super herói seja tão impopular quanto a lambada nos dias de hoje e, claro, é tão desastroso quanto o pior dos encanadores, que para consertar uma pia quebra o banheiro inteiro.

Esse tal herói é John Hancock (Will Smith), bêbado, desastrado e mais odiado que o mosquito da dengue. Ele combate o crime da sua maneira, deixando um rastro de destruição por onde passa. Sua vida começa a mudar, ao salvar a vida de um RP (Relações Públicas) BM (Bunda Mole), que começa a aconselhar Hancock para que ele se torne um herói de verdade.

O RP, Ray Embrey, convence Hancock a se entregar as autoridades por toda a destruição que ele causou em seus resgates desastrosos. Encarcerado, ele se depara com infinitos problemas psicológicos e passa por uma aulinha de "etiqueta de super-herói", enquanto do outro lado das grades a criminalidade dispara.

Não demora muito até a população começar a sentir falta de Hancock e é aí que começa a virada na história... De vilão a herói, Hancock vai aos poucos caindo no gosto do povo e a se tornar um 'super' mais convencional.

Para o pessoal que quer um pouquinho mais... Em certo momento o filme tem uma pseudo-virada-dramática, mas que ao invés de estragar, acaba por selar Hancock como um dos melhores filmes de herói da história.

São duas horas que valem o ingresso! O filme é divertidíssimo e consegue satirizar as grandes produções de filmes de super-herói sem ter de apelar para o pastelão. A dosagem de humor com ação é parecida com a da franquia Máquina Mortífera, e faz com que o filme seja leve e fácil de se gostar. Recomendado!

quarta-feira, 2 de julho de 2008

Notícias: Cinema: Novo Resident Evil



Segundo o site Gamespot o maravilhoso povinho de Hollywood estaria planejando um novo Resident Evil para os cinemas.
Uepa! Mais zumbis-badass nos cinemas!
Paul W.S. Anderson, diretor do primeiro filme e produtor e roteirista de toda trilogia, disse ao MTV Movies Blog que ama a série e que ele sempre se esforçou para fazer o melhor filme possível, por isso, se ele achar um bom Resident Evil 4 para fazer, ele será feito! Yahooohoooho's!
Agora é esperar para ver se teremos mais uma dose dessa franquia de sucesso.

Notícias: Games: Seize Control



Seize Control, o novo game do Spidy, promete revolucionar o mercado de jogos baseados em Heróis.
O jogador terá, como sugere o nome, total controle sobre a história. Você decide todos os upgrades do seu personagem, decide quais caracteres do universo Marvel lutar contra ou quais transformar em aliados, o enredo da história, os métodos para espancar seus inimigos e mais uma penca de coisas.
Além, é claro, daquela bagatela de open world e tudo mais que temos direito... easter eggs e vários super-vilões.

O jogo, por não ter nenhum filme atrelado a data de lançamento, promete ser bem feito e não ter aqueles bugs zuados ou falhas grotescas pela falta de tempo e dedicação.

E pelo visto os produtores estão levando a sério esse esquema de Controle!
No site oficial, foi aberta uma internacional poll para a mulecadinha votar na capa mais louca do game.
Promissora a promoção (eco eco eco), heim...
O prêmio?! Nada mais do que ver a capa mais votada nas prateleiras das lojas.. fuck off.
O legal é colocar a gente como decisor..

Um blog com tudo que o superego julgou absurdo demais para entrar no Puro Pop

Quem faz o PuroPop ser Pop